Bom Dia - O Diário do Médio Piracicaba

notícias

22/08/2014 16h34

Policial acusado de matar jornalista vai a júri em Ipatinga

Crime aconteceu em março de 2013 quando Rodrigo Neto foi assassinado a tiros. Radialista havia denunciado, na Comissão de Direitos Humanos, o envolvimento de policiais em grupos de extermínio

Compartilhe

O homem acusado de matar o jornalista investigativo Rodrigo Neto, em oito de março de 2013, será julgado na próxima quinta-feira na cidade de Ipatinga, Zona da Mata Mineira, local onde o crime foi registrado. De acordo com o Tribunal de Justiça de Minas gerais (TJMG) o policial civil está preso desde maio do ano passado, assim como outro suspeito do homicídio,.AN.A.

Conforme o TJ, a dupla é suspeita de integrar um grupo de extermínio, o que ainda está sendo apurado. Segundo a denúncia do Ministério Público (MP), A. estava na garupa de uma moto pilotada por uma pessoa não identificada quando surpreendeu Rodrigo e disparou várias vezes, atingindo-o na cabeça, no tórax e nas costas.

Os acusados também tentaram acertar outra pessoa que estava com o repórter quando ele foi alvejado, mas conseguiu escapar. O itinerário de fuga foi traçado pelo investigador, que passou pelo local, minutos antes, viu o jornalista e o companheiro e avisou o comparsa de sua presença e posição. A motivação do delito, ainda de acordo com o MP, foram denúncias feitas por Rodrigo em emissora de rádio, contra crimes que ficaram impunes no Vale do Aço.

Ainda conforme o Tribunal de Justiça, a razão para a tentativa de homicídio seria silenciar a pessoa que presenciou o assassinato.

Relembre o caso

O jornalista Rodrigo Neto foi executado a tiros em Ipatinga, na Região do Vale do Aço em março de 2013. O repórter mantinha um programa de plantão policial na Rádio Vanguarda e era também repórter do Jornal Vale do Aço. Ele já havia denunciado, na Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, o envolvimento de policiais nos crimes que ficaram conhecidos como Chacina Belo Oriente e o grupo de extermínio "Moto Verde". Rodrigo produziu várias matérias sobre os casos que incriminavam policiais militares da cidade.

Neto foi executado por dois homens em uma motocicleta. O deputado Durval Ângelo, então presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia, enviou na época, comunicado à imprensa para informar que encaminhou um pedido de providências e apuração rigorosa sobre o caso, destinados ao secretário de defesa social do Estado, Rômulo Ferraz, ao governador, Antonio Anastasia, ao chefe da Policia Civil e a corregedoria da Polícia Militar.

Pesar

Na data da morte do jornalista Rodrigo Neto, o governador Antonio Anastasia divulgou nota lamentando o crime. “Neste momento, levo a solidariedade dos mineiros a todos os familiares, amigos e colegas de trabalho de Rodrigo Faria”, afirmou.

Com informações: EM / UAI

Bom Dia Online- Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.

by Mediaplus